Como lançar um produto digital em pouco tempo

Fonte: foto por  NeONBRAND  em  Unsplash .

Fonte: foto por NeONBRAND em Unsplash.

 

Você já quis lançar um produto no mundo digital? Sabe qual o fator mais importante para o sucesso de um? Bill Gross, em sua palestra no TED, "The single biggest reason why start-ups succeed" pesquisou com inúmeras start-ups e enumerou os motivos que garantiram o sucesso de uma das maiores. Adivinha fator foi considerado o mais importante? Exato! Timing. 

Ele considerou o timing o fator mais importante porque se muitas pessoas estão com alguma dor e alguém oferece um produto para solucionar essa dor, fica fácil ver o resultado dessa equação. No vídeo, ele dá vários exemplos de produtos que falharam e de outros que tiveram sucesso relacionando à época do seu lançamento.

Porém, mesmo que você identifique uma dor no seu público, lançar um produto, digital ou não, consome tempo e muitas vezes, não temos tanto tempo quanto queremos. Seja porque nosso concorrente já está na nossa frente nessa corrida ou porque nossos usuários atuais se mais tornaram exigentes e querem novas funcionalidades. No melhor cenário possível, por que não ser a empresa que vai abalar o mundo digital surpreendendo os usuários e deixando as noites dos concorrentes mais iluminadas? 

Então, como não perder o timing e ter tempo suficiente para lançar um produto que vai transformar o mundo?

Lançando um MVP.

Produto Mínimo Viável

 
 
Fonte: foto por  Rachit Tank  em  Unsplash .

Fonte: foto por Rachit Tank em Unsplash.

 
 

O MVP, Mininum Viable Product, traduzido do português como Produto Mínimo Viável, é um produto básico, mas com funcionalidades suficientes que define sua solução para atender as dores do seu público e coletar feedbacks para o desenvolvimento futuro. Não entendeu nada? Vamos elaborar melhor.

A Uber, quando fez seu lançamento em 2009 como UberCab, era um aplicativo que conectava um passageiro a um taxi de luxo. A funcionalidade invovadora que eles ofereciam aos usuários é a possibilidade de pagamentos por cartão de crédito. Eventualmente, seus criadores reconheceram o potencial do aplicativo e foi evoluindo até chegar na gigante que é hoje. O que isso quer dizer: a Uber não fez seu lançamento após ter desenvolvidos todas as funcionalidades como acesso a diferentes tipos de carros, compartilhamento de viagens e abrangência de diferentes cidades. Aliás, nem sua principal funcionalidade de que qualquer um poderia usar seu próprio carro para trabalhar existia em seu lançamento. A única funcionalidade era aquela proposta na época de conectar passageiro a motorista e pagamento prévio por cartão de crédito. Não posso afirmar que eles já tinham planejados ser o que são hoje, mas caso sim, lançar um MVP foi crucial para solidificar sua presença no mercado.

Validar sua ideia e aceitação do público

Fonte: foto por  Austin Distel  em  Unsplash .

Fonte: foto por Austin Distel em Unsplash.

Foi a partir do MVP que a Uber conseguiu validar a aceitação do público à sua ideia e trabalhar em cima disso. Não podemos prever diferentes linhas temporais, mas acreditamos piamente que se a Uber não tivesse lançado seu MVP e desenvolvido novas funcionalidades a partir dos feedbacks reais e enquanto marcava sua presença no mercado, talvez perdesse o timing e outra empresa estaria em seu lugar.

O MVP não necessariamente precisa ser a versão preliminar do seu produto, mas o que ele propões fazer, qual sua inovação. O Twitter, inicialmente chamado de Twttr, era um sistema interno em que o usuário mandava uma mensagem para um número de celular e ela era transmitida para todos os amigos. Da mesma forma que a Uber, eles perceberam que a aderência dos usuários era grande e viram oportunidade para expandir o produto e assim fizeram.

Porém, mesmo que você lance um MVP do seu produto e ele não brilhe como os exemplos anteriores, o que você prefere: perder de 1x0 ou tomar uma goleada? Se você lançar um MVP, coletar feedbacks, validar com usuários e mesmo após várias iterações e reajustes o mercado estiver frio e você ter que abandonar seu produto, pelo menos - pensamento otimista, vamos ver copo meio cheio - você investiu menos tempo, dinheiro e esforço em um MVP do que se tivesse lançado um produto completo. O tombo seria muito maior como também seu prejuízo.


Conclusão

Há quem argumente que um produto nunca saia do seu MVP, afinal, eles estão sempre evoluindo e se adaptando às novas realidades e exigências do mercado. Nomenclaturas e jargões à parte, o importante é sempre estar antenado em seu mercado, nas dores dos usuários e pegar o bonde para lançar a solução o quanto antes. E, apesar de tratarmos frenéticamente de como você deve ser frenético e o mundo estar numa correria e em uma evolução desenfreada, nem por isso você precisa ser inconsequente e sair lançando produtos achando que a vida é um cassino. O MVP ajuda a validar sua ideia, conseguir investimentos, reduzir seus riscos e se nada der certo, redirecionar sua atenção para onde vale a pena. Porém, antes mesmo de lançar um MVP, existe uma fase preliminar que é a fase de pesquisa, um assunto que abordaremos no próximo artigo.

Para mais histórias sobre MVPs de marcas famosas, veja a matéria "Como 8 startups famosas começaram" no site Na Prática.